sexta-feira, 6 de agosto de 2010

Cinema e TV: The Walking Dead



É com muita satisfação que eu vejo o atual panorama do extravasamento dos quadrinhos de sua mídia original e sua inserção em outras expressões artísticas, como o cinema e a tv. As grandes editoras americanas a exemplo da Marvel e da DC, além de outros grandes estúdios, como a Sony e a Fox investem pesadamente em adaptações dos quadrinhos para as telas. Nesse ano de 2010, vemos porém que não somente adaptações de quadrinhos dessas duas editoras tem destaque, pelo menos no que diz respeito aos seriados para a TV, a grande aposta desse ano é a adaptação de The Walking Dead, da editora Image:.
A editora Image, foi criada no ano de 1992, por artistas e roteiristas saídos da Marvel Comics. Essa era uma época que poderíamos chamar de o início do declínio quadrinhos americanos, no qual a intensa produção e vendas de quadrinhos não significavam necessariamente uma excelência na qualidade desse material produzido. Lembro bem dessa fase, caracterizada por superheróis hiperbombados, heroínas siliconadas e dentes rangendo em profusão em histórias no máximo risíveis, onde roteiristas e desenhistas superestimados, a exemplo de Jim Lee e Rob Liefeld (creio que esse não foi um exemplo muito bom) ditavam as regras nos quadrinhos americanos.
Porém no início desse século um pouco da boa forma criativa parece ter voltado, com as editoras, incluindo a própria Image investindo em histórias um pouco mais alternativas, apostando em filões não-heróicos e Walking Dead é um bom exemplo disso.
Criado por Robert Kirkman, em 2003, a história se passa num futuro próximo pós apocalipse zumbi e conta a história do policial Rick Grimes e sua jornada por um mundo tomado por desmortos, onde a civilização parece ter se perdido completamente. Tive contato com essa revista a partir dos volumes encadernados publicados no Brasil em 2006 pela editora HQM, cujo título ficou traduzido como “Os mortos-vivos”, e me surpreendi positivamente com a leitura, a história inicial me lembrou um pouco do filme “Extermínio” onde o protagonista acorda do estado de coma no hospital e se depara com a cidade completamente às moscas (no caso de Walking Dead, uma cidadezinha do estado da Georgia) e tem que lutar por sua própria sobrevivência e quem sabe encontrar as respostas do que causou isso tudo.Respostas que em momento algum, pelo menos pelo que eu li, são dadas ao leitor. Outro elemento que me chamou a atenção foi o fato da história não se focar unicamente na questão da sobrevivência e no temor constante dos zumbis sempre à espreita, claro que isso é tratado, mas as relações humanas diante da catastrófica situação dão o tom maior do enredo e fornece um diferencial para a série.
Rick Grimes, protagonista da série
Sobre a série de TV, ela está em produção pelo canal AMC também responsável por Mad Men e Breaking Bad, com estreia prevista para outubro nos EUA, e promente muita fidelidade em relação ao original, pelo menos nas primeiras imagens divulgadas pude verificar que realmente há uma preocupação em manter a “pegada” dos quadrinhos e isso deixou minhas expectativas ainda maiores em relação a essa série. Tomara que não demore tanto pra chegar em nossas terras como os quadrinhos...

Nenhum comentário:

Postar um comentário