sexta-feira, 6 de agosto de 2010

6 de agosto, um dia para nunca ser esquecido

Hiroshima arrasada após a explosão nuclear

Quando a bomba explodiu, eu tinha 21 anos e era um soldado da polícia de
Hiroshima. Estava a 1.300 metros do epicentro da explosão. Se meu uniforme
fosse feito de um tecido menos resistente, teria morrido queimado.
As lembranças que tenho daquele dia são horríveis. Pessoas com os cabelos
queimados e as peles penduradas pelos dedos, agonizando de dor, pulavam no
rio para tentar aliviar as queimaduras. Só que acabavam morrendo afogadas.
Depois de certo tempo, o rio estava coberto por cadáveres. Muitos corpos
também foram encontrados nos tanques de água da cidade, que serviam para
apagar os incêndios causados pelos bombardeios. O cheiro era insuportável.
Todos gritavam. Um colega meu, que esteve nos escombros do epicentro da
bomba à procura de seus pais, disse que chegou um ponto onde não havia onde
pisar, senão em cadáveres.
"

Takashi Morita, sobrevivente de Hiroshima

Há exatamente 65 anos explodia sobre a cidade de Hiroshima a primeira das duas bombas atômicas lançadas em solo japonês e que puseram fim de maneira cruel a Segunda Guerra Mundial. Relatos como o mostrado acima nos mostram o quanto a guerra é uma coisa completamente desnecessária a humanidade, e que a proliferação de armas nucleares, embora tenha se reduzido significativamente, ainda é algo preocupante. É preciso uma reflexão global e uma tomada de consciência pra que coisas como essas nunca mais aconteçam.

Nenhum comentário:

Postar um comentário